terça-feira, 6 de outubro de 2009

Como Paulo atuou para superar a escravidão

Após ler esse texto, sobre Filemom - um capítulo que geralmente passamos batidos, fiquei me perguntando o que estamos dispostos a fazer por nossos “Onésimos”, nossos filhos em Cristo. O que estamos dispostos a encarar e enfrentar pelos filhos espirituais, nas situações mais complicadas, a ponto de dizer até: “ponha na minha conta”?

Por John Piper

A histórica e contemporânea realidade da escravidão nunca está longe da forma como pensamos sobre a Bíblia. Ao invés de um ataque frontal à instituição de escravidão cultural, patente em sua época, Paulo tomou uma outra abordagem, por exemplo, em sua carta a Filemom.

Onésimo era um escravo. Seu mestre Filemom era um cristão. Onésimo tinha evidentemente fugido de Colossos (Colossenses 4:9) para Roma, onde Paulo, na prisão, o tinha conduzido à fé em Jesus. Agora ele estava enviando Onésimo de volta para Filemom. Essa carta diz a Filemom como receber Onésimo.

No processo, Paulo faz pelo menos 11 coisas que funcionam em conjunto para minar a escravidão.

1. Paulo chama a atenção para o amor de Filemom para com todos os santos. “Eu ouço de seu amor e da fé que tens para com o Senhor Jesus e por todos os santos” (1:5). Isso coloca a relação de Filemom com Onésimo (agora um dos santos), sob a bandeira do amor, não apenas o comércio.

2. Paulo dá exemplo a Filemom da superioridade dos apelos sobre comandos quando se trata de relações regidas pelo amor. “Pois bem, ainda que eu sinta plena liberdade em Cristo para te ordenar o que convém, prefiro, todavia, em nome do amor, apelar a você...” (1:8-9). Isto aponta Filemom para uma nova dinâmica que vai dominar entre ele e Onésimo. Agir na liberdade de um coração de amor é o objetivo no relacionamento.

3. Paul aumenta a sensação de Onésimo estar na família de Deus, chamando-o de seu filho. “Eu apelo a você em favor de meu filho, Onésimo, cujo pai, tornei-me na minha prisão” (1:10). Lembre-se, Filemom, de qualquer forma como você lide com ele, estará lidando com o meu filho.

4. Paulo levanta as estacas de novo, dizendo que Onésimo tornou-se entrelaçado em torno de suas próprias afeições profundas. “Estou enviando-o de volta para você, enviando o meu coração” (1:12). A palavra para “coração” é “entranhas”. Isto significa que, “Estou profundamente ligado emocionalmente a este homem”. Trate-o dessa forma.

5. Paulo novamente enfatiza que ele quer evitar a força ou coação em sua relação com Filemom. “Eu teria sido feliz para mantê-lo comigo ... mas eu preferia não fazer nada sem o seu consentimento para que a sua bondade não venha a ser como que por obrigação, mas de sua própria vontade” (1:13-14). Isto aponta a Filemom como lidar com Onésimo para que também haja “por sua própria vontade”.

6. Paulo levanta a intensidade da relação novamente, com a frase “para sempre”. “Pois acredito que ele veio a ser afastado de ti temporariamente, a fim de que o recebas para sempre” (1:15). Em outras palavras, Onésimo não está voltando em qualquer, comum, secular relacionamento. É para sempre.

7. Paulo diz que o relacionamento de Filemom já não pode ser o de costume, mestre-escravo. “[Você o tem de volta] não mais como um escravo, mas mais do que um escravo, como irmão muito amado” (1:16). Se ele deixar Onésimo voltar para servir Paulo, ou mantê-lo em seu serviço, as coisas não podem permanecer como estavam. “Não mais como um escravo” não perde sua força quando Paulo acrescenta, “mais do que um escravo”.

8. Nesse mesmo versículo (1:16), Paulo se refere a Onésimo como irmão amado Filemom. Essa é a relação que toma o lugar de escravo. “Não mais como um escravo ... mas como irmão muito amado”. Onésimo agora dá tem o “beijo santo” (1Tessalonicenses 5:26) de Filemom e come a seu lado na mesa do Senhor.

9. Paulo deixa claro que Onésimo é com Filemom no Senhor. “[É] um irmão amado ... no Senhor” (1:16). A identidade de Onésimo agora é a mesma de Filemom. Ele é “no Senhor”.

10. Paulo diz a Filemom para receber Onésimo da maneira como ele receberia Paulo. “Então, se você me considera o seu parceiro, recebe-o como se fosse me receber” (1:17). Isto é talvez mais forte do que qualquer coisa que ele disse: Filemom, como você me veria, me trataria, diz respeito a mim, me receberia? Trate o seu ex-escravo e novo irmão dessa forma.

11. Paulo diz a Filemom que ele vai cobrir todas as dívidas de Onésimo. “E, se algum dano te fez ou se te deve alguma coisa, lança tudo em minha conta” (1:18). Filemom poderia, sem dúvida, ficar envergonhado por isso, se tivesse qualquer intenção de pedir a restituição de seu novo irmão, porque Paulo está na prisão! Filemom é o único que está a preparar um quarto para Paulo! (1:22).

O resultado de tudo isto é que, sem proibir explicitamente a escravidão, Paulo chamou a atenção da igreja para a escravidão, porque é uma instituição incompatível com a maneira como o evangelho atua na vida das pessoas. Se a escravidão é econômica, racial, sexual, suave ou brutal, a maneira de Paulo lidar com Filemom ajuda a minar a instituição em suas diversas manifestações. Andar “em harmonia com a verdade do evangelho” (Gálatas 2:14) é andar longe da escravidão.

Caminhando com você na direção de Jesus,
Pastor John

Fonte: “How Paul Worked to Overcome Slavery”, em Desiring God. Tradução: Casa do Pão.

Onésimo: significa "útil, proveitoso".
Filemom: significa “que tem amor”.
Site MANT Belém

Nenhum comentário:

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP