sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Crônica – Cápsula João 14

Você já deve ter ouvido falar em cápsulas do tempo. São caixas que as pessoas enterram por aí, recheadas de “recados para o futuro”. São fragmentos do presente, que poderão ser verdadeiros tesouros para as próximas gerações. Daí surge aquela pergunta: “o que você colocaria numa cápsula do tempo?”

Essa mania é levada a sério por muita gente, e não é de hoje. Durante escavações ou em quintais é possível achar alguns desses recados. Muitas foram usadas para resumir a representatividade de grupos e pessoas de uma determinada época. Numa pequena cápsula havaiana, por exemplo, de 1872, havia fotos de famílias reais, selos, a constituição do reino, moedas, jornais, um calendário e livros; bem ao estilo “the best of”. Até a Nasa colocou uma para vagar no espaço, na Voyager 1, há três décadas.

Numa breve pesquisa sobre o que as pessoas deixariam para quem vem depois, duas intenções ficam bem nítidas. A primeira é de selecionar símbolos de nossa época, para mostrar que fizemos coisas importantes, a exemplo daqueles que pinçariam da humanidade quadros de grandes pintores, livros e Cds. Outros preferem o valor simbólico, com fotos de famílias, desenhos de crianças, cartas. Algumas cápsulas vem até com data definida para abertura, por volta do ano 8.000, por exemplo.

Outra intenção é ajudar as gerações futuras a encontrar em nossas experiências elementos e valores que tenham se perdido com o tempo. Cápsulas do tempo incorporam tudo aquilo que já assistimos em filmes, onde a partir dos anos 2000 o mundo entraria em colapso, vítima de seu próprio “desenvolvimento”. Daí a ideia de sintetizar informações sobre a energia nuclear e guardar recipientes de água (que será cada vez mais escassa no planeta). Por isso o recado fica encapsulado, resistindo as guerras e assolação, na esperança que aquele compartimento conduza à esperança.

Sem embarcar seriamente na proposta alguns escolheriam qualquer coisa, por achar legal, não necessariamente importante a ponto de ser encapsulada. Em entrevista antiga, na época dos Raimundos, Rodolfo Abrantes deixaria um skate como legado. Sei que ele mudaria de ideia hoje. Talvez, tentando fazer bonito, alguns afirmariam deixar uma Bíblia ("quem sabe no futuro alguém decide ler o que não li?").

Minha cápsula do tempo não teria nada meu, pois não tenho nada. Nada digno de encher os olhos de habitantes de um mundo assolado, que desenterra um treco do solo. Nada meu, só de Deus. Esse texto nasceu de João 14, não por ser meu texto favorito, mais importante ou revelador. João 14 é perfeito para uma cápsula. Nascemos numa correria, nos virando para fugir de Deus e viver olhando para o umbigo da humanidade. Cápsulas do tempo são pura contradição, pois ao mesmo tempo que nos achamos grandes – por obras de arte, invenções e cultura; deixamos cápsulas, prevendo nossa autodestruição.

É por isso que a cápsula João 14 é para nós mesmos. Passamos por tantas tribulações, medos, incertezas, inconstâncias, erros, desistências, desesperanças. Não é fácil ser cristão. Não que os mandamentos do Senhor sejam pesados. A questão é que nosso mundo, desde o Éden, ficou complexo e confuso. Logo, são muitas doses de antídoto porque são infinitas as doses de veneno.

No decorrer da longa caminhada pode vir o desânimo. Mas se bater a vontade de esquecer tudo e voltar a pensar que a Palavra é livro de auto-ajuda para amenizar a dor, ou que Deus é religião ("quando morrer acaba tudo mesmo"); desenterre a cápsula.

Certa vez cheguei a conclusão: se, ao final de toda tribulação formos capazes de entender João 14 nós estaremos salvos. Nessa parte ele resumiu aquilo que não poderíamos esquecer, nem abrir mão. É uma cápsula para o futuro, que pode ser daqui a alguns anos, ou amanhã:

(1) Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Marta, não te concentres nisso, não se aflija. Acredite em mim e acabe com isso.

(2) Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. Eu estou preparando tudo. Está tudo sob controle. Já te falei sobre o melhor que estou preparando para ti, lembra Paulo? Não desista do que tenho pra ti.

(3) E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Tem um lugar pra você, reservado pra você. Ô Marina, eu quero te levar pra mim. Te levar PRA MIM. Há opção melhor do que estarmos juntos, pra sempre?

(4) Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho. Falei a ti tantas vezes. Rogério, sabes para onde vou.

(5, 6) Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. Não há outro jeito, não há outro jeito, não há. Carlos, é só por mim! Só por mim estarás diante de Deus.

(7) Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto. Como queres chegar a Deus sem mim, Roberta? Ele me mandou para ser o caminho.

(8, 9, 10) Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras. Somos um. O Pai está em mim e eu estou nele, não há separação Carla.

(11) Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras. Porque acreditas em milagres mas não em mim Adriana?

(12) Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai. No dia em que creres verdadeiramente Antônio, terás autoridade. Não será coisa de filme – farás obras maiores que eu fiz na terra.

(13, 14) E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei. Peça a mim. Eu sou o intercessor Rodrigo. Abra a boca e clame a mim. Eu sou tua solução.

(15) Se me amais, guardai os meus mandamentos. Não poderei atender ao que for dito da boca pra fora. Eu te amo. Se me amares guardarás meus mandamentos, ouvirás minha voz. Luíza, obediência é questão de amor.

(16, 17) E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; o Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. Não ficarás desamparado pelo fato de não me ver. Creia em mim e ganharás a presença do Espírito Santo. Não serás qualquer um Lucas, pois terás essa honra.

(18, 19) Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós. Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais, mas vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis. Bruna querida, não estarás só. Eu garanto tudo para você.

(20) Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós. Estou contigo Patrick, esteja em mim e eu estarei contigo. Poderás sentir minha presença. Serás a minha morada.

(21) Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. Quem me ama dá provas de amor. Se teu amor e verdadeiro certamente serás correspondida Rebeca. Deus derramará amor em ti.

(22, 23, 24) Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): SENHOR, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo? Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou. Me manifesto na vida dos que me seguem, porque seria diferente Felipe?

(25, 26) Tenho-vos dito isto, estando convosco. Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito. Deixe o Espírito Santo chegar a tua vida. Aceite ser pleno. Não será impossível guardar mandamentos se deixares ele te conduzir Marcela.

(27) Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. Largue esse sofrimento, essa preocupação Gustavo. Minha paz não é momentânea nem superficial. É a verdadeira.

(28, 29) Ouvistes que eu vos disse: Vou, e venho para vós. Se me amásseis, certamente exultaríeis porque eu disse: Vou para o Pai; porque meu Pai é maior do que eu. Eu vo-lo disse agora antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis. Eu vou voltar Geovana. Eu vou voltar. Enquanto isso estarei cuidando do teu lugar no céu, e te dando a garantia das vitórias. Deixe comigo.

(30, 31) Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim; mas é para que o mundo saiba que eu amo o Pai, e que faço como o Pai me mandou. Levantai-vos, vamo-nos daqui. O que importa é seguir a Deus, amado José, e nunca se desviar desse caminho, apesar dos males desse mundo. Até mais, ovelha minha. Quero você comigo.

Site MANT Belém

Nenhum comentário:

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP