domingo, 25 de janeiro de 2009

Não caia da janela. Desperte!

A sensação é terrível: as pálpebras começam a ficar pesadas. Arregalando os olhos você tenta ficar atento, mas o corpo inevitavelmente se inclina pra frente. Nisso, o que parecia um simples piscar, foram longos minutos em que ficou fora do ar. Tem gente que adormece no ônibus, no banco, no trabalho, na aula e até na igreja. Dormir é bom, mas na hora certa. Dormir é perigoso.

A Bíblia fala sobre tudo; até sobre o sono. É impactante (e terrível) a primeira leitura de Atos 20. O apóstolo Paulo estava na cidade de Trôade, como parte das viagens missionárias. No primeiro dia da semana os discípulos estavam reunidos para partir o pão. Como o cronograma do missionário era extenso, deveria partir no dia seguinte. Por isso, resolveu prolongar a pregação até a meia-noite.

“E havia muitas lâmpadas no cenáculo onde estavam juntos. Um jovem, chamado Êutico, que estava sentado numa janela, adormecendo profundamente durante o prolongado discurso de Paulo, vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo e foi levantado morto”. (v8-9)

É impactante pela revelação: quem dorme, morre. Antes de fazer uma retrospectiva para lembrar se fizemos o mesmo, vem um alívio: “Paulo, porém, descendo, inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a sua alma nele está”. (v10) Ufa!

Depois do susto você visualiza a cena. A queda foi favorecida pela dimensão da janela, que no oriente eram imensas, quase do tamanho de portas, para facilitar a ventilação. “Vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo”. Afinal, porque um episódio que mistura pastelão e tragédia foi cuidadosamente registrado na Palavra? Por que aquele rapaz teve o nome citado entre os anônimos, sendo lembrado eternamente por ter dormido? O que podemos aprender sobre o sono?

As respostas não vêm imediatamente, enquanto enxergamos o episódio como um simples acidente de percurso. Mas se está na Bíblia há um propósito, pois o Espírito Santo não perderia tempo destacando isso na Palavra.

O jovem Êutico
Antes de taxar o jovem de folgado podemos analisar melhor o contexto. “Êutico” significa “afortunado” ou “feliz”, e mais adiante nesse texto isso fará sentido. Ser jovem, naquela época, subentendia uma rotina movimentada, pois desde cedo a juventude trabalhava. Um domingo deveria ser um alívio, pois talvez esse jovem tivesse jornada dupla, trabalhando e estudando, e costumasse ficar cansado. Após participar da ceia, Êutico teve interesse em ficar até o final, para ouvir a exortação de Paulo. Ou seja, havia interesse pela Palavra, mas ele estava no lugar errado, na hora errada.

Porque foi para a janela?
Êutico pode ter ido para a janela por questão de comodidade, para pegar um vento e fugir da situação desconfortante do calor. Como as lâmpadas da época eram de óleo, o oxigênio do ambiente era consumido mais rapidamente. Uma janela também pode ser acento para a descontração excessiva, onde se perde o foco, concentração, fica distante de quem prega.

Janela também pode ser uma brecha ou grande abertura espiritual

Refresco - Para quem pensa muito no calor do ambiente. Quer refrigério para o corpo apenas. Se preocupa excessivamente com coisas menores da igreja e da vida cristã e vai se refrescar na janela.

Olhar para fora - Para quem está na igreja, mas “antenado” no mundo, querendo vivê-lo. Não agüenta uma pregação longa, pois precisa correr para ver na TV aquele programa e novela que não edificam (pelo contrário). Pediu perdão pelos erros do passado, mas sempre dá uma “espiadinha” nas coisas relacionadas a eles.

Risco - Para quem ignora o risco e está no lugar errado (numa festa com más companhias, dormindo ou vendo TV em horário de estar ouvindo a Palavra, em roda de escarnecedores, trabalhando demais sem buscar a Palavra, distrações bobas que não edificam, mas são armadilhas).

Motivos de queda
-Distração
-Cansaço
-Desmotivação
-Embromação
-Pecado
-Sono (literalmente)

Leia também:
Site MANT Belém

Nenhum comentário:

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP